jusbrasil.com.br
17 de Novembro de 2018

Museu de Arte do Parlamento Paulista

Há exatamente dez anos inaugurava-se a primeira fase do nosso museu de arte

A data de hoje marca dez anos da inauguração no Palácio Nove de Julho da primeira fase do acervo do Museu de Arte do Parlamento de São Paulo. Constituído inicialmente com a preocupação de humanizar o Palácio 9 de Julho, propiciando aos funcionários um ambiente agradável para o desenvolvimento de suas atividades e um novo ponto de atração cultural da capital paulista aos numerosos visitantes que acorrem diariamente à sede do Legislativo, o Museu de Arte do Parlamento de São Paulo teve início na gestão do presidente Walter Feldman, com a abertura de um acervo artístico de 71 obras em agosto de 2002.

As obras foram doadas por artistas e particulares,instituições como a Federação do Comércio do Estado de São Paulo, o SindPedras, o Instituto de Recuperação do Patrimônio Histórico no Estado de São Paulo, o SENAI, e pelo próprio Presidente da Assembléia Legislativa.

Após a saudação inicial do subscrito Superintendente do Patrimônio Cultural, que falou sobre as finalidades do novo acervo para São Paulo, o pintor Gustavo Rosa em nome dos artistas presentes, agradeceu ao Deputado Walter Feldman Presidente do Legislativo de 2002 pela iniciativa afirmando que: "Um pais se forja através da cultura de seu povo".

O 1º Secretário Deputado Hamilton Pereira disse na ocasião: "Este é um dos momentos mais importantes da Assembléia Legislativa. A Casa do Povo não poderia prescindir da arte e da cultura. A arte é como a síntese da humanidade, o que ela produziu de mais belo em sua história. Este acervo artístico está transformando um ambiente taciturno em um local resplandecente de luz."

A convite do Deputado Walter Feldman convidou para descerrar a placa comemorativa da primeira fase do acervo o poeta Paulo Bonfim, representando o Tribunal de Justiça, o 1º Secretario da Mesa, o critico Emanuel von Lauenstein Massarani e a artista Sarah Goldman.

O Presidente do Legislativo Deputado Feldman fez na ocasião um contraponto entre arte e política, mostrando suas diferenças e a complementação que uma faz a outra. "A inauguração do acervo artístico é mais uma forma de aproximar a sociedade da Casa Legislativa. Podemos então afirmar que a Assembléia sendo a Casa das Leis é a Casa do Povo e também Casa de Cultura."

O Museu em 2012: mais de 1.300 obras

Ampliado na gestão do deputado Sidney Beraldo em 2004 e transformado em Museu de Arte pelo presidente Rodrigo Garcia em 2005, teve nas gestões dos presidentes Vaz de Lima e Barros Munhoz considerável impulso com a abertura de três espaços culturais destinados a acolher, alternadamente, exposições mensais de artistas renomados e o lançamento de novos talentos.

Com um acervo de mais de 1.200 obras, o mais novo museu paulista possui patrimônio bem representativo das várias tendências e estilos da arte brasileira. São pinturas a óleo e acrílico, aquarelas, desenhos, pasteis, gravuras, serigrafias, colagens, esmaltes, fotografias, cerâmicas, tapeçarias, esculturas e arte digital, fruto de doações de artistas, de instituições particulares e oficiais ou prêmios de aquisição das últimas edições do Salão Paulista de Belas Artes.

Por seu ineditismo e por suas atividades, bem como propiciando intercâmbio de artistas entre o Brasil e a Itália, nos dois sentidos, três importantes reconhecimentos internacionais foram outorgados ao Museu de Arte do Parlamento de São Paulo: a Grande Medaglia Lorenzo De"Médici, Il Magnífico, da cidade de Florença, e Diplomas ao Mérito da Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Florença e da Bienal de Arte Internacional de Roma.

Vale salientar que desde o inicio de sua instalação, em 2002, a coordenação do museu está confiada ao crítico Emanuel von Lauenstein Massarani" historiador, jornalista e diplomata ", superintendente do Patrimônio Cultural da Assembléia e também presidente do Instituto de Recuperação do Patrimônio Histórico no Estado de São Paulo.

Paralelamente, há dez anos, Massarani pública diariamente artigos numa página no Diário Oficial do Legislativo, analisando cada obra incluída no acervo, enquanto a TV Assembléia divulga reportagens de cada exposição e entrevistas com os respectivos artistas. A divulgação das mostras é feita através de cartazes criados pela equipe da Gráfica do Legislativo.

Tudo isso justifica o slogan:"Assembléia Legislativa: Casa das Leis, Casa do Povo e também Casa de Cultura".

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)