jusbrasil.com.br
20 de Outubro de 2017
    Adicione tópicos

    Taxas de homicídio da juventude negra é discutida em Audiência Pública

    O aumento de homicídios por questões raciais foi discutido, nesta terça-feira (10/10), na Assembleia Legislativa. A Audiência Pública "Contra o Genocídio da Juventude Negra" foi realizada por iniciativa da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, da Cidadania, da Participação e das Questões Sociais, da deputada leci brandão e de entidades do movimento negro.

    A deputada Leci Brandão (PCdoB) destacou a importância de trazer esse assunto para o Parlamento. "Muitos não sabem o que é o genocídio, que isso é uma banalização de quem merece viver, um extermínio de pessoas pela raça", disse.

    O Atlas da Violência 2017, lançado em junho deste ano pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, analisa a evolução de homicídios no período de 2005 a 2015. De acordo com o estudo, as principais vítimas no país são homens, jovens, negros e de baixa escolaridade. Os jovens do sexo masculino entre 15 e 29 anos correspondem a 47,85% do total de óbitos registrados nesse período.

    De cada 100 pessoas assas­sinadas no Brasil, 71 são negras. A mortalidade de mulheres não negras (brancas, amarelas e indígenas) caiu 7,4%, enquanto o índice de mulheres negras subiu 22%. Os números mostram que o racismo está vívido na sociedade.

    A representante da Frente Alternativa Preta Adriana Moreira destacou que as desigualdades no Brasil decorrem de diversos fatores. "O Estado se omite quando não reconhece que o racismo é um fator de construção de desigualdade. Fazendo isso, ele promove a morte não apenas física, mas psicológica e social da população negra como um todo, em particular das mulheres negras", disse.

    A representante do movi­mento Convergência Negra Cláudia Adão apontou para uma correlação entre raça, homicídio e pobreza na cidade de São Paulo. "É nas periferias que isso se concentra. Não é um fato pontual ou um episódio que só está acontecendo agora, isso é originado na exclusão da população pós-abolição e no processo de segregação", destacou.

    Adão ressaltou que a discriminação não ficou na história e se reatualiza com o enfraquecimento de políticas públicas, a violência policial e a falta de oportunidades na periferia, resultando na morte da população negra. "Uma audiência pública sobre o tema traz visibilidade para a questão e cobra do Poder Público políticas focadas nesses públicos e territórios", afirmou.

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)